Descaso: passageira deficiente se arrasta para embarcar em voo no PR por falta de equipamento

Katya Hemelrijk, 38 anos, precisou se arrastar por uma escada para conseguir embarcar em um avião da Gol no Aeroporto de Foz do Iguaçu, no Paraná, na madrugada desta segunda-feira (1º). Katya, que é coordenadora de comunicação de uma empresa de cosméticos, viajava para São Paulo, cidade onde mora e trabalha, e relatou o episódio em sua página do Facebook.

De acordo com o texto de Katya, como não havia no aeroporto o equipamento próprio para realizar o embarque de passageiros com deficiência, ela precisou subir os degraus sentada, se arrastadndo pela escada. “A solução foi entrar assim no avião, às 5h20 da manhã. Bem chato GOL Linhas Aéreas Inteligentes. Só não foi pior porque a tripulação e os demais funcionários estavam tão indignados quanto nós e nos ajudaram no que foi preciso, inclusive a resgatar a mala que já estava despachada para que eu pegasse uma calça”, diz o texto.

Em nota, a GOL “esclarece que o Stair Trac — equipamento utilizado para levar clientes com deficiência física até o interior de aeronaves — da base de Foz de Iguaçu não estava disponível para uso e por isso não pôde ser utilizado durante o embarque do voo 1076. A companhia tentou com as demais empresas conseguir o equipamento, o que também não foi possível”.

Ainda de acordo com a empresa, foram oferecidas “outras alternativas para a cliente, que optou por seguir sem a ajuda dos colaboradores da companhia. A GOL lamenta o ocorrido e informa que tomará as medidas necessárias para evitar que casos como este voltem a acontecer”.

R7

Anúncios

Apesar das chuvas, nível do Cantareira cai

$Com chuvas abaixo do esperado em novembro, o Sistema Cantareira registrou o terceiro mês com menor entrada de água do ano e também nos 84 anos da história do manancial, de acordo com relatórios publicados pela Agência Nacional de Águas (ANA). O sistema continua com o nível de água caindo, e domingo (30), no 16º dia consecutivo de queda, chegou a 8,8% da capacidade, já incluídos os 105 bilhões de litros da segunda cota do volume morto. O Cantareira abastece 6,5 milhões de pessoas na região metropolitana de São Paulo.

Até a última sexta-feira (28), quando o relatório foi atualizado, a média de água que entrou no reservatório foi de 6 mil litros por segundo, apenas 19,4% da média histórica mensal. No mês, entraram cerca de 14,5 bilhões de litros de água no Cantareira. A média em novembro do ano passado tinha sido de 50,2 bilhões de litros. Até então, o novembro mais seco tinha sido registrado em 1954, quando a média de entrada de água foi de 12,4 mil litros por segundo.

UOL